sexta-feira, 12 de julho de 2013

A presença que eu sinto

Tenho me sentido muito próxima à Bolota. Mais do que nunca, eu acho.
É que eu ando sentindo muita coisa. Eu já sinto há muito tempo, na verdade, mas agora tá diferente. Passei a vida toda querendo decifrar umas coisas minhas, que me aconteceram bem lá atrás e que determinam muito quem eu sou hoje, de uma forma muito forte. Sempre tentei, mas nunca conseguia chegar aonde eu sabia que estava a resposta. Era como andar constantemente, mudar as rotas, refazer caminhos, quase chegar. Mas em algum momento eu me cansava ou me distraía, e parava. Depois tinha que recomeçar, e assim por diante. Até que eu engravidei. Foi como se, junto com o bebê, eu ganhasse uma percepção nova sobre coisas antigas. Eu sabia que mudaria, só não sabia que seria tanto, nem tão rápido.
Estou indo fundo em mim.
Eu achava que já estava começando esse caminho quando iniciei minhas leituras sobre maternidade ativa - e realmente estava, não posso negar -, mas só agora estou conseguindo acessar os lugares que eu não conseguia chegar antes. E eu preciso falar: tá sendo foda (não achei uma palavra equivalente, desculpem). Tanto no sentido de muito bom, quanto no sentido de muito difícil. Eu estou diante de uma porta e preciso abri-la. Estou tentando, mas ainda não consegui. Acho que sei como fazer, mas já entendi que algumas vezes é preciso mais do que saber o que fazer. Mas vou conseguir, e depois conto como foi.

O fato é que, se eu estou indo fundo em mim, no caminho eu cruzo sempre com a minha Bolotita. Neste momento, ela faz parte de um processo muito importante na minha vida. Não que eu esteja depositando num mini bebê a responsabilidade ou uma carga que ele não é capaz de carregar. Nada disso. É da certeza de um amor que eu estou falando. Se ela está em mim, literalmente, não tem como eu me conectar comigo e não me conectar com ela também. É inevitável.

E aí são duas coisas diferentes, mas igualmente intensas. Eu me descubro cada dia um pouquinho mais, e a sinto cada dia mais, também.
Temos tido momentos só nossos. Seja no banho, quando conversamos muito; ou quando coloco uma (sempre mais de uma, na verdade) música especialmente pra nós. Aliás, isso tem se tornado uma rotina muito agradável.
Sempre a incluo no que estou fazendo. Quando acordo mais cedo, com fome, viro pro marido e falo "amor, vamos levantar, a Bolota tá com fome". Ou ao contrário, se quero dormir mais, digo que ela ainda não acordou. Reparei que não como mais chocolate nem muito doce como antes, acho o gosto mais doce do que eu posso suportar, e gosto de dizer que parece que a Bolota está puxando o pai, que não come chocolate quase nunca. Entre outras tantas coisas que gosto de inclui-la. É muito espontâneo, e tem sido bem divertido também.
E uma coisa muito louca no meio disso tudo que anda acontecendo: eu a sinto mesmo, aqui comigo. De uma forma bem mais ampla do que só sentir que tem alguém dentro da minha barriga. Acho que vocês entendem. Tenho sempre a sensação de tê-la no meu colo, ou perto de mim. Sempre. Já me peguei pensando - e acho que pra vocês posso dizer que até vejo a cena - várias vezes no pequeno bebê que estará aqui do lado de fora, em breve. Eu fecho os olhos e vejo. Uma pessoinha tão pequena a princípio, mas que eu respeito tanto, quero tanto, amo tanto. E aí é que eu chego a sentir o peso do seu corpinho no meu colo, de verdade. É tão real que até me arrepio quando penso nisso. Uma intensidade que eu ainda não havia experimentado. E como mãe é bicho bobo que só, sempre me emociono muito também. Várias vezes isso acontece, e em todas eu me surpreendo com a força desse sentimento. E sempre preciso agradecer a Deus por me permitir sentir tanto.

É... eu disse que estava indo fundo.
E daqui a pouco mudo o nome do blog pra "Travessia Materna", porque é a palavra que chega mais perto do que ando vivendo.


Eu tô indo...
Foto: Arquivo pessoal
clicada pelo meu marido, em janeiro, lá em Aracaju.

ps: esse post faz parte da minha tentativa de abrir a porta que está prostrada na minha frente. 
Talvez surjam mais posts assim, ainda não sei. Só o que sei é que eu preciso escrever - e está sendo aqui porque me sinto muito à vontade com vocês. 

15 comentários:

  1. Engraçado essa conexão. eu não me sentia conectada ao parasita até pouco tempo. Não sei, para mim eu era uma coisa e o bebê outra, que coincidentemente está na minha barriga. mas uma hora isso mudou: passei a meio que amar esse serzinho e ficar com pena de ser tão frágil e tão dependente de mim e marido. sempre falei: ah, parasita tá com fome, com sono, com frio. mas agora, eu SEI quando ele está acordado, dormindo, pulando. é uma coisa maluca.
    Quem disse que maternidade é simples? hehe
    bjs
    Carol
    www.meuparasita.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito doido tudo isso, Carol!
      Fico só pensando quando eu sentir a Bolota mexendo... deve ser demais! hehe

      No comecinho eu também não sentia, mas agora tá bem forte. E acho que só vai aumentando, né...

      É complexo, mas é muito bom!! :D

      Beijo beijo!

      Excluir
    2. Com certeza! olha, sentir mexer é maluco demais!!!
      quando você se dá conta de que é uma pessoinha se mexendo, aí sim que a gente pira! hehe
      bjsss

      Excluir
  2. Coisas que só nós mulheres/mães sabemos ou saberemos (meu caso) um dia néh Mari.... natureza e Deus incríveis!!!
    Linda foto.
    Bjus
    http://seraquevousermae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É incrível mesmo!
      :)

      Obrigado pelo carinho sempre!

      Beijinho!

      Excluir
  3. Ele ou ela partilha com vc cada momento aproveita mt este momento magico Deus e mt bom em te proporcionar sentimentos tao lindos e que as vezes somente vc e ele pode entender decifrar e continuar... um bjinho adorei este post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho, querida!
      É uma benção mesmo sentir tudo isso! ^^

      Beijinho!

      Excluir
  4. Que lindo!

    A maternidade realmente nos muda de maneiras inexplicáveis. E tudo por conta desse amor, dessa conexão tão intensa.

    Sabe que, logo que eu descobri que estava gravida, ainda morrendo de medo de perder meu bebe, eu conversava com ele. Uma noite eu o senti. Mesmo. Senti seu abraço, sua presença, nao sei. Mas isso me deu aquela certeza: ele veio para ficar. E eu chorei e o amo sempre mais. Quem disse que seria simples?

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai que linda essa história, Loroca!
      A gente sente mesmo, de uma forma tão forte que não tem como explicar né?
      Delícia essa experiência.

      Beijo beijo!

      Excluir
  5. Mari, eu acho incrível essa sua capacidade de auto-análise, de verdade. Porque eu sei o quanto é um processo doloroso às vezes, mas você tá sempre lá, caminhando, indo...
    E essa conexão com Bolota!! Amooo!! rsrs
    PS: E que corpaço, hem amiga! rsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Nana! Mesmo, mesmo!
      É um pouco doloroso, sim. Mas depois faz muito bem. Cada vez vou descobrindo mais sobre mim, e indo mais longe.

      ps: obrigado pelo elogio! hahhahhaha
      ele não tá mais assim, mas é por um motivo muito justo ;P

      Super beijo!

      Excluir
  6. No começo eu sentia zero conexão com o bebê e foi um fase estranha. Depois, eu vi que precisava de conectar comigo primeiro pra poder conectar com ela. Só então eu me dei conta do que tava acontecendo, que eu não era mais apenas eu. E posso falar? Foi muito bom. Continua sendo. A mexeção do baby depois vem só coroar o momento. Lá nas aulas, a enfermeira um dia pediu que a gente relaxasse e imaginasse o bebe, visse a carinha, sentisse o cheiro. J-E-S-U-s! Eu me acabei de chorar só pensando! Hahahahaha
    Isso tudo é muito gratificante e tu tá no caminho certo, gatan. Daqui a pouco vai escancarar essa porta. Tu e Bolota.


    Beijoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ter sido uma delícia essa aula, Romana! :D
      eu choraria super também, hahaha

      Obrigado pela força!
      Nós vamos conseguir, sim, tenho fé!

      Beijão!

      Excluir
  7. Tb sinto essa ligação tão forte... parece bobagem, mas terça eu tinha que dançar no ballet, conversei com ele(a) e expliquei que a mamãe amava aquilo que era para ele se comportar e ñ me fazer passar mal, acredite fiquei bem até o final da apresentação, cheguei em casa passei tãooo mal com enjoos que acabei rindo,afinal, ele tão pequenino colaborou com a mãe!!
    Sonho direto com o bebê, converso, canto, tb coloco músicas...então te entendo perfeitamente!!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Owwn, que lindo, Suzy!!
      Bobagem nada, super acredito nessa conexão! ^^
      O vínculo já começa desde agora, né?! Muito bom sentir tudo isso...

      Beijo beijo!

      Excluir

Deixe seu comentário e faça uma família feliz :)